Notícia


16/12/2016 | Importante

Mensagem da Alta Representante/Vice-Presidente Federica Mogherini por ocasião do Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres


Mensagem da Alta Representante/Vice-Presidente Federica Mogherini por ocasião do Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres

 

Toda vez que celebramos o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, reconhecemos o fracasso de nossas sociedades. As mulheres e meninas são alvos – em casa, suas comunidades, ou local de trabalho – no mundo inteiro. Nossa União Europeia não é exceção: pelo contrário, estamos testemunhando uma tendência que põe em cheque realizações que considerávamos garantidas. As mulheres estão sujeitas a grande sofrimento e, com frequência, enfrentam sozinhas essa dor. Mas a violência contra as mulheres é uma violência contra a sociedade como um todo: toda a sociedade deve reagir, a começar pelos homens.


Como elaboradores de políticas, somos os grandes responsáveis pela proteção das mulheres e conscientização da sociedade: a União Europeia tem proposto projetos específicos no mundo inteiro, inclusive através do Plano de Ação da UE sobre Gênero 2016-2020, e dentro de nossas fronteiras. Por exemplo, apoiamos jovens mulheres que dizem “não” ao casamento forçado, e estamos trabalhando com as famílias e os líderes locais que repudiam a mutilação genital. Estamos ajudando a disseminar a mensagem de que a violência contra as mulheres é sinal de fraqueza dos homens, e não de força.

 

Porque esta é a primeira e principal luta cultural que envolve todos, com a mídia desempenhando um papel muito significativo. Não pode haver espaço para complacência. Cada palavra, toda palavra, deve ser escolhida cuidadosamente quando se trata de violência baseada no gênero, e não deve haver outra palavra para descrever os autores, a não ser “criminosos”. Criminosos que privam as meninas e mulheres de seu direito de estudar, trabalhar, escolher o deixar seu parceiro, criminosos que as privam de sua liberdade. 


Fonte: Delegação da União Europeia no Brasil